Lenda Morou, Tá na Boca

Lenda piauiense gerada do relacionamento de um alfaiate anão com sua irmã na cidade de Teresina. Conta a lenda que quando a vizinhança descobriu o relacionamento, espancaram a moça te tal maneira que ela fugiu da cidade e nunca mais foi vista. O anão com medo de também ser coagido, nunca mais saiu de casa, jurando vingança através de feitiço aos preconceituosos do seu amor. Contam os antigos que quando saia de casa pelas madrugadas em Teresina, transformava-se em um animal peludo parecido com um carneiro grande, que corria atrás das pessoas dizendo: “morou, tá na boca”.